UNIFAL-MG participa da maior pesquisa de neutrinos da atualidade

UNIFAL-MG tem participação por meio de pesquisa teórica e, futuramente, experimental

unifal

UNIFAL-MG participa da maior pesquisa de neutrinos da atualidade (Foto: Reprodução/TV Unicamp)

A UNIFAL-MG foi uma das instituições citadas em reportagem divulgada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) no dia 09/06, sobre a participação de pesquisadores de instituições do Brasil e de outros países da América Latina, em um dos maiores projetos científicos da atualidade: Deep Underground Neutrino Experiment, o Dune e SBND, do qual a Universidade é uma instituição-membro.

O experimento compõe a linha de pesquisa em física de neutrinos do Fermi National Accelerator Laboratory – Fermilab (EUA), projeto que conta com a participação do pesquisador da área de Física da UNIFAL-MG, Prof. Gustavo do Amaral Valdiviesso, do Instituto de Ciência e Tecnologia, campus Poços de Caldas, e também de estudantes da Universidade.

Intitulada “A participação brasileira na maior pesquisa de neutrinos da atualidade”, a matéria, assinada por José Tadeu Arantes da Agência FAPESP, destaca a inauguração do Laboratório de Léptons na Unicamp, evento que ocorreu recentemente. “A importância do Laboratório de Léptons é ser o primeiro laboratório de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de detecção de luz em Argônio Líquido, material utilizado em nossos detectores”, assinala Prof. Gustavo.

A publicação destaca que o Dune é o mais ambicioso empreendimento já concebido para o estudo dos neutrinos, pois consiste igualmente em uma iniciativa bilionária, destinada a investigar em profundidade a estrutura da matéria e a responder algumas das mais inquietantes perguntas relativas à formação do Universo. Colaboração internacional, com sede no Fermilab, nos Estados Unidos, e custo estimado no patamar de US$ 1 bilhão, o Dune já congrega 970 colaboradores, de 164 instituições de pesquisa, de 31 países. A construção dos equipamentos está sendo iniciada neste ano. E o início das operações foi agendado para 2026.

Conforme o pesquisador da UNIFAL-MG, a participação da Universidade nestes projetos se dá por meio de pesquisa teórica e, futuramente, experimental. “Quatro projetos de Iniciação Científica com bolsa foram ou estão sendo desenvolvidos no âmbito destes projetos: um estudante de mestrado do PPGF está fazendo mestrado sanduíche lá nos EUA, atuando no experimento SBND. Seu nome é Marcos Vinicius Santos, e ele recebeu a Neutrino Physics Center Fellowship”, ressalta, informando que o projeto do estudante visa estudar possíveis fontes de incertezas no experimento SBND.

Além dos estudantes, o professor também colaborou com desenvolvimento da chamada “geometria”, parte integrante das simulações do experimento SBND. “A geometria é um modelo computacional completo do detector. O desenvolvimento da geometria do SBND levou cerca de um ano. No lado experimental, com suporte de dois projetos Universais vigentes (CNPq e FAPEMIG), estou equipando um pequeno laboratório com o objetivo de colaborar com o Laboratório Léptons da Unicamp em pequenas tarefas de caracterização dos sensores”, revela.

De acordo com o pesquisador, graças a todo este esforço, em julho de 2016, ele foi o receptor do Intensity Frontier Fellowship, uma linha de financiamento do governo estadunidense para desenvolvimento de novas tecnologias. “Eu recebi 36 mil dólares para trabalhar na montagem do SBND, a partir de 24/07/2017, por um ano. Ao mesmo tempo, fui contemplado com uma bolsa de pós-doc sênior da Capes, o que garantiu que eu e minha família pudéssemos nos mudar para o Fermilab por um ano”, conclui.

Acesse a reportagem divulgada pela Agência FAPESP: A participação brasileira na maior pesquisa de neutrinos da atualidade
Releia também notícia divulgada pela Assessoria de Comunicação: UNIFAL-MG contribui com projeto sobre detector de neutrinos

Confira a cobertura da inauguração do Laboratório de Léptons feita pelo programa Registro Geral da TV Unicamp:
https://www.youtube.com/watch?v=yNbmOuXLzhs
Com informações: Gustavo Valdiviesso, professor do Instituto de Ciência e Tecnologia da UNIFAL-MG




Expresse sua opinião. Comente a matéria acima!